religare


  


estudos das Escrituras    vida cristã    apresentação      




foto: Euler Sandeville Jr., Itatiaia, 2006


retornar a
ESTUDOS NAS ESCRITURAS
INTRODUÇÃO À BÍBLIA




NOVO TESTAMENTO E ANTIGO TESTAMENTO
Euler Sandeville Jr.
São Paulo, primeira versão em 28 de abril de 2016, redação atual em 14 de dezembro de 2018

Os livros que apresentam a Nova Aliança citam inúmeras vezes as Escrituras hebraicas. Alguns estimam em mais de 1.000 citações. Basicamente, essas citações são empregadas de duas formas: 1) para demonstrar o que de Jesus e sua redenção estava previsto na Antiga Aliança, e 2) para ensinar princípios da vida cristã com Deus. A minha perspectiva é cristã, então sigo aqui esses ensinamentos.

“Depois lhe disse: São estas as palavras que vos falei, estando ainda convosco, que importava que se cumprisse tudo o que de mim estava escrito na Lei de Moisés, nos Profetas e nos Salmos. Então lhes abriu o entendimento para compreenderem as Escrituras; e disse-lhes: Assim está escrito que o Cristo padecesse, e ao terceiro dia ressurgisse dentre os mortos; e que em seu nome se pregasse o arrependimento para remissão dos pecados, a todas as nações, começando por Jerusalém. Vós sois testemunhas destas coisas” (Lucas 24.44-48).

“Tu, porém, permanece naquilo que aprendeste, e de que foste inteirado, sabendo de quem o tens aprendido, e que desde a infância sabes as sagradas letras, que podem fazer-te sábio para a salvação, pela que há em Cristo Jesus. Toda Escritura é divinamente inspirada e proveitosa para ensinar, para repreender, para corrigir, para instruir em justiça; para que o homem de Deus seja perfeito, e perfeitamente preparado para toda boa obra” (2 Timóteo 3.14-17).

Um belo exemplo desse uso das Escrituras hebraicas no Novo Testamento nos é dado pelo próprio Jesus, em sua tentação no deserto. Antes de começar sua pregação e anunciar a salvação pela região da Samaria e Judeia, Jesus foi colocado diante de Satanás para ser tentado. Vejamos a importância da tentação de Jesus. Adão, ao ser tentado, desobedeceu a Palavra de Deus. Quando Satanás diz a Eva que a Palavra de Deus (apenas dessa árvore não comerás) não era como Ele disse, ela duvida e, movida por sua ambição desobedece a Deus para seguir sua própria opinião, no que é seguida por Adão, que tinha ouvido as instruções do próprio Criador.

Como está escrito no livro de Romanos referindo-se a Adão e ao sacrifício redentor de Cristo: “por um só homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado a morte” e “se, pela ofensa de um só, a morte veio a reinar por esse, muito mais os que recebem a abundância da graça, e do dom da justiça, reinarão em vida por um só, Jesus Cristo”. Ora, se Jesus vinha para redimir o pecado, era necessário que fosse aprovado onde falhamos.

Jesus, depois de 40 dias no deserto Jesus sentia fome. O Diabo o desafia a transformar as pedras em pão, ao que ele responde: “Está escrito: Nem só de pão viverá o homem, mas de toda palavra que sai da boca de Deus”. A primeira prova era sobre sua identidade, seu poder e autoridade. A segunda foi sobre sua confiança em Deus, usando a Escritura para tentá-lo, ao que Jesus respondeu:

“Também está escrito: Não tentarás o Senhor teu Deus”. E por fim, o Diabo lhe propõe um meio de realizar de modo mais fácil a missão que Jesus tinha, ao que Jesus respondeu: “Então ordenou-lhe Jesus: Vai-te, Satanás; porque está escrito: Ao Senhor teu Deus adorarás, e só a ele servirás” (Mateus 4.1-11).

Além da lucidez das respostas de Jesus, seu alicerce foi a Palavra de Deus, em todas as vezes respondeu: está escrito, demonstrando um conhecimento dos verdadeiros princípios. O que deve nos alertar, o Diabo tentou a Jesus usando de modo distorcido a Palavra de Deus, mas para desviar seu foco de Deus para si mesmo. Jesus coloca as coisas em termos adequados “Ao Senhor teu Deus adorarás, e só a ele servirás”. O que nos ensina esse trecho da tentação de Jesus no deserto, em um momento em que sentia necessidade? Que, além de conhecer a Palavra é necessário entendê-la em seus princípios básicos, e além de entendê-la, é necessário ter um coração e um caráter disposto a praticá-la.

      









uma proposta de Euler Sandeville Jr.






^ retornar ao início da página
contato ↑
licença ↑